6 ingredientes tóxicos na sua pasta de dentes

Existem tantos outros ingredientes e em mais produtos do nosso dia a dia do que a simples pasta de dentes. No entanto, tenho vindo a me aperceber da grande falta de informação sobre as pastas de dentes seguras para crianças, especialmente as mais novas e bebés que acabam por engolir o pouco que é utilizado, mas que faz uma  grande diferença.

 

Por isso, decidi compilar um mini guia dos ingredientes mais comuns e mais tóxicos, bem como fontes seguras que asseguram a vericidade do que aqui partilho. No final poderão encontrar uma lista ainda em construção, de pastas de dentes e receitas DIY seguras para toda a família desde os primeiros dentinhos!

TRICLOSAN

 

A popular pasta de dentes Colgate Total contém uma substância química antibacteriana chamada triclosan, que permite que a empresa o rótules como “a única pasta de dentes aprovada pela FDA para ajudar a combater a placa e a gengivite”.

Embora o triclosan previna a gengivite, o benefício sai caro. O produto químico tem sido associado a preocupações com resistência a antibióticos e desregulação endócrina.

 

Os produtos químicos desreguladores do sistema endócrino podem promover uma ampla variedade de problemas de saúde, incluindo cancro de mama, ovário, próstata e testículo, bebês prematuros e de baixo peso, puberdade precoce em meninas e testículos que não desceram em meninos.

Estudos comprovaram que o triclosan causa malformações ósseas fetais. Além disso, o triclosan pode interferir com um tipo de sinalização celular no cérebro, coração e outras células.

Triclosan e o cancro | Triclosan e malformações ósseas fetais

 

LAURIL SULFATO DE SÓDIO (SLS)

 

Os surfactantes são agentes químicos responsáveis pela ação espumante da pasta de dentes, mas também interferem no funcionamento das papilas gustativas, quebrando os fosfolipídios na língua. Ou seja, aumenta o gosto amargo e pensa-se se a causa pela qual tudo tem um  sabor tão amargo logo após escovar os dentes. O SLS tem sido associado a irritação da pele e aftas dolorosas.

No entanto, um dos principais problemas com o SLS é que o processo de fabricação (etoxilação) resulta num possível contaminante com 1,4 dioxano, um subproduto cancerígeno. O processo de fabricação também liberta compostos orgânicos voláteis carcinogénicos no meio ambiente. O SLS está registado como um inseticida e pode ter efeitos tóxicos na vida marinha, incluindo peixes, insetos e crustáceos.

Outros nomes comuns para SLS: sodium lauryl sulfate, sodium laureth sulfate (SLS), or sodium lauryl ether sulfate (SLES)

 

SLS e irritação da pele e aftas | SLS e um subproduto cancerígeno | SLS e a toxicidade para a vida marinha

 

ADOÇANTES ARTIFICIAIS

 

O aspartame é composto principalmente de ácido aspártico e fenilalanina. A fenilalanina foi sinteticamente modificada para transportar um grupo metila, que fornece a maior parte da doçura. Esta ligação metil fenilalanina, chamada éster metílico, é muito fraca, o que permite que o grupo metila na fenilalanina se separe facilmente e forme metanol.

Apesar de tudo, o metanol nas frutas e legumes está firmemente ligado à pectina, permitindo a sua passagem segura através do aparelho digestivo. Já o mesmo não acontece com o metanol criado pelo aspartame.

 

Além disso, o ser humano não está equipado com um mecanismo biolótico protetor que decompõe o metanol em ácido fórmico inofensivo.

Nos seres humanos, o álcool metílico viaja através dos vasos sanguíneos até áreas sensíveis, como o cérebro, onde o metanol é convertido em formaldeído. Por não haver catalase presente, o formaldeído é livre para causar danos nos  seus tecidos.

 

Os sintomas de envenenamento por metanol são muitos e incluem dores de cabeça, zumbido nos ouvidos, tontura, náusea, distúrbios gastrointestinais, fraqueza, vertigem, calafrios, lapsos de memória, dormência e dores nas extremidades, distúrbios comportamentais e neurites.

 

FLÚOR

O flúor tem tido a sua propaganda como a resposta para as cáries, mas tem vindo a ser cada vez mais estudado nos últimos anos e por boas razões.

Uma pasta de dentes com flúor é muitas vezes a maior fonte única de ingestão de flúor para crianças pequenas e é um importante fator de risco para fluorose dentária desfigurante.

Isto ocorre porque as crianças engolem uma grande quantidade da pasta que colocam na boca. De facto, pesquisas mostraram que não é incomum, crianças pequenas engolirem mais flúor da pasta de dentes sozinha do que o recomendado como ingestão diária de todas as fontes naturais de flúor.

A deglutição de flúor, como é o caso da água fluoretada, é especialmente prejudicial à saúde, pois, a ciência demonstra claramente que o flúor é um químico tóxico que se acumula nos tecidos ao longo do tempo, causando estragos nas enzimas e produzindo uma série de efeitos adversos graves.

Os efeitos na saúde, incluem disfunção neurológica e endócrina. As crianças estão particularmente em risco de efeitos adversos da super exposição.

 

Estudos sobre a toxicidade do flúor e efeitos negativos nos dentes: aqui e aqui.

 

PROPILENO GLICOL

 

O propilenoglicol é um tipo de óleo mineral que, A nível industrial, é usado em anticongelantes, tintas, esmaltes e descongeladores de aviões. A forma de grau farmacêutico é usada em muitos produtos de cuidados pessoais, incluindo pasta de dentes, como um surfactante. Não existe uma pesquisa sobre a segurança do propilenoglicol em produtos para cuidados pessoais, embora conhecido pelos seus efeitos adversos: irritação da pele, olhos e pulmão e pode causar toxicidade no sistema nervoso.

Toxicidade no sistema nervoso

 

DIETANOLAMINA (DEA)

 

É um disruptor hormonal que pode reagir com outros ingredientes formando um potencial cancerígeno chamado NDEA (N-nitrosodietanolamina), que é facilmente absorvido através da pele e que tem sido associado a cancros do estômago, esófago, fígado e bexiga.

 

O Grupo de Trabalho Ambiental (EWG) classifica o DEA como o número 10 no seu banco de dados de cosméticos (resultado mais tóxico) devido à alta preocupação com a toxicidade no sistema de órgãos, preocupações com contaminação e irritação, juntamente com risco moderado de cancro. A Agência de Proteção Ambiental da Califórnia listou a DEA como um possível carcinógeno humano.

 

DEA e o cancro

 

Se procura pasta de dentes seguras e sem estes e tantos outros ingredientes tóxicos, confira a lista abaixo! 

(em construção)

 

Família

  • Dr. Organic Aloe Vera/menta

Bebé e criança

  • Organic Children by Green People

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *